Feminices


A presença da esposa de Michel Temer na posse de Dilma Rousseff  causou febre alta no Twitter. A moça, quarenta e tantos anos mais jovem que o marido, bonita, com longos cabelos loiros presos em uma trança lateral (que mostrava a tatuagem do nome de Michel feita na nuca) e vestida com blusa de um ombro só, tinha ares de estátua grega. Possivelmente a indumentária, a maquiagem e o penteado foram meticulosamente estudados para criar essa impressão, afinal a imagem de Marcela seria transmitida e replicada para milhões de pessoas.

O aparecimento tão marcante daquela moça ao lado do marido com aparência de pai ou avô, levantou polêmicas e chacoalhou opiniões  sobre o que levaria a jovem a se casar com um homem tão mais velho e, quem sabe, com interesses muito diferentes dos dela, ou não; e  aqui e aqui estão posts ótimos sobre esse assunto . O casamento deles em 2003 pegou muita gente de surpresa.

Imagino que muitas mulheres casam-se com homens mais velhos objetivando a  segurança e responsabilidade que eles podem trazer ao compromisso.  Uma parcela dos jovens mancebos talvez não esteja  apressada em constituir família, ter filhos, assumir despesas, morar junto e enfrentar as dificuldades que a união pode trazer. Nota-se de alguns anos para cá uma tendência das famílias em manter seus filhos e filhas por perto, dando-lhes apoio financeiro e abrigo até os 35 anos, ou mais. É a chamada adolescência tardia e, se para os pais é uma espécie de adiamento do corte umbilical, para os filhos é uma conveniência interessante, já que lhes dá condições de procurar o emprego dos sonhos, fazer a faculdade, a pós graduação, o doutorado, o mestrado, fazer as viagens que deseja, ou aproveitar o simples ócio sem ter que dar muitas satisfações.

Homens mais velhos em geral já estão social e financeiramente estabilizados; já têm carreira sólida; já descobriram o que querem da vida e como realizar esses objetivos. A melhoria das condições sociais e financeiras podem também funcionar como um afrodisíaco tornando o homem que as oferece um sério candidato a marido. Não há nada de errado em querer melhorar de vida, desde que os meios sejam lícitos.

É preciso também considerar que muitos homens mais velhos despertam respeito e admiração por sua inteligência e charme e conquistam mulheres muitos anos mais jovens, construindo casamentos longos e estáveis. Wood Allen e Charles Chaplin não me deixam mentir. E quem aos 15 ou 16 anos não se apaixonou pelo professor décadas mais velho que atire o primeiro punhado de arroz.

Homens em posição de poder também podem ser muito atraentes para algumas mulheres; podem trazer a estabilidade que muitas precisam para seguirem felizes em suas vidas e em contrapartida, fazerem seus maridos felizes. A troca de interesses materiais não é necessáriamente condenável e se um pode ajudar, por exemplo, na carreira profissional do outro, qual o problema?

Não sei se ainda existem os casamentos impostos pelas famílias, onde os interesses econômicos e financeiros ou as alianças políticas estão acima de qualquer coisa. Até bem pouco tempo – se pensarmos históricamente –  esses eram os casamentos mais comuns.

O casamento por amor, que muitos chamam de “casamento romântico” também pode acontecer entre pessoas com muita diferença de idade. Acho que o amor ainda não está extinto e acredito sinceramente que, para quem ama, a idade do outro é o que menos importa.

Existem homens que dizem que não fazem questão de se relacionarem com mulheres muito jovens porque, deixando de lado a aparência física, elas não têm muito à oferecer. Pode parecer preconceituoso, mas se pensarmos um pouquinho veremos que é preciso tempo para adquirir conhecimento e cultura. Para esses homens a relação não se embasa apenas em sexo e aparência, mas também em ter uma boa companhia, com conversas agradáveis, troca de conhecimento, crescimento intelectual mútuo. Eles não descartam o fato de que existem jovens inteligentes, cultas e interessantes, apenas estão abertos à todas as possibilidades.

Existem mulheres que não gostam de homens mais velhos e dizem que eles não acompanham seus ritmos de vida ou não compartilham de seus interesses. Essas muitas vezes enfrentam preconceito por namorarem ou casarem com homens mais jovens do que elas e posso falar desse assunto com conhecimento de causa. A imagem do “golpe do baú” e da “velha tarada” ainda é poderosa em nossa sociedade. As pessoas relutam em acreditar que aquele “garotão” está com aquela “balzaca” ou que aquela “gatinha” escolheu o “tiozinho” porque isso os deixam felizes.

Casamentos com grandes diferenças de idade entre marido e mulher existem em todas as camadas sociais e costumam chamar mesmo a atenção, mas casamento é um contrato de parceria entre duas pessoas e, como em qualquer contrato justo é essencial que haja honestidade em seus termos. Seja qual for o motivo que leva alguém a se unir à outro alguém,  que ambos tenham clareza do que os une e sejam felizes para sempre ou até que o divórcio ou a morte os separem.

Anúncios

Sou um tanto avessa às cerimônias, sejam elas posse presidencial, entrega de premios, casamentos, batizados, e por aí afora. Mas não resisti e assisti, como milhões de brasileiros e brasileiras (para adotar a forma da Presidente se expressar), a posse de Dilma Rousseff pela televisão.

Confesso minha futilidade dizendo que estava ansiosa para ver o vestido, o penteado e a maquiagem que ela usaria. Não me decepcionei; achei a Presidente elegante e vestida de acordo com a ocasião. Só faço um aparte com todo o respeito: Dilma precisa aprender a andar com mais elegância e leveza senão fica parecendo uma pata choca de 150 kilos no convés de um navio em meio a uma tempestade! É facil Presidente Dilma, basta juntar as pernas, alinhar os pés para frente  e coloca-los um diante do outro, nem precisa carregar livro na cabeça.

Outra coisa sobre o que precisam alertá-la é o sorriso. Quando ela sorri abertamente fica bonita e simpática; quando dá o sorriso contido, com a boca semi-aberta, mostrando apenas os dois dentes da frente, fica com cara de coelha e parece desconfortável e falsa. Ser elegante e bonita não tira a autoridade de ninguém.

Passando às coisas sérias, Dilma se emocionou e me emocionou ao assumir seu lado “mãezona” dizendo que: ” A partir desse momento, sou a presidenta de todos os brasileiros”   e ao levar a filha Paula com ela.

No seu discurso de posse Dilma disse que quer que “todas as brasileiras sintam o orgulho e a alegria de ser mulher” e ela deve saber que isso não será fácil.

Acompanhando o notíciario de jornais e TV, ouvindo as conversas alheias nos ônibus e no metrô, conversando com as pessoas, observando as estatísticas da violência, percebemos que ainda vivemos em meio a um profundo desrespeito com as questões femininas.

Exemplo típico e imediato foi o comportamento dos internautas. Muitos comentaram a beleza da jovem mulher de Michel Temer em oposição à “feiúra” das petistas e sequer deram importância ao fato de uma mulher estar assumindo a presidência do país. Para esses internautas  importante é ser bonita e só. Muitos também fizeram e/ou replicaram piadas de gosto  duvidoso  sobre a orientação sexual da presidente, com insinuações extremamente maldosas. No raciocínio desses, mulher forte tem que ser “macho”; não aceitam que mulher pode ser inteligente, feia, bonita, gorda, magra, alta, baixa, rica, pobre, jovem, velha… e poderosa; em seus pensamentos rasos poder não combina com feminilidade. É contra esse tipo de preconceito que a Presidente terá que lutar, entre tantos outros.

É com a questão da violência física e psicológica contra as mulheres que Dilma terá que se ver caso queira mesmo resgatar a dignidade da mulher no Brasil.

A Presidente disse em seu discurso que vai dar atenção à educação, atrelando ensino de qualidade á valorização dos “professores e professoras”, dando à eles remuneração adequada e formação continuada; prometeu também apoiar as prefeituras para aumentar vagas nas creches e pré-escolas, e aqui a Presidente – caso cumpra sua promessa – estará realmente prestando um enorme serviço às brasileiras, pois dará à elas condição de irem para seus empregos deixando seus filhos em segurança.

Como boa administradora, falou em usar os recursos do Pré-sal com cuidado e atenção, como faz a dona de casa com seu orçamento doméstico. Quer que o dinheiro dure e se transforme em “qualidade de serviços públicos, na redução da pobreza e na valorização do meio ambiente”. Mas falou pouco sobre meio ambiente, dizendo apenas que é possivel crescer sem destruir o meio ambiente, utilizando energia limpa e preservando reservas naturais e florestas. A intenção é muito boa, agora como diria Garrincha, falta combinar com os adversários.

Falou em imprensa livre, disse que não guarda rancor ou mágoa numa clara alusão ao período em que foi perseguida, presa e torturada pela ditadura, prestou homenagem à Lula e à José de Alencar, enfatizou a erradicação da “miséria absoluta” e a necessidade de uma classe média forte e sólida.

Agora nos próximos 4 anos a Presidente Dilma Rousseff terá que nos mostrar que não é apenas uma mulher no poder, mas que é “a” mulher no poder. Precisará ignorar as tolices de um feminismo de boutique que tentou fazer com que ela nomeasse mulheres para cargos nos ministérios apenas por serem mulheres.

Precisará deixar claro que independente de ser homem ou mulher, independente de pertencer à alguma das minorias étnicas ou de orientação sexual; independente de pertencer à essa ou aquela religião ou camada social, as pessoas que estarão com ela governando o país serão pessoas de bem, dignas de nosso respeito e confiança.

Peço humildemente que a senhora não me desaponte, Presidente Dilma Rousseff.

LEGGING

Estão pelas ruas já faz um tempo. Gordinhas, magricelas, altas, baixas, pernas retas, pernas tortas, pernas perfeitas, com bunda, sem bunda, comprimento longo, até o meio da canela, curto… Eu acho que legging não orna com nada, mas se você gosta e não estiver fingindo que é vocalista de banda glam rock anos 80, por favor fuja das metálicas ou com estampas de oncinha e não se iluda, aquela cor “nude” não é neutra coisa nenhuma, só é horrorosa.

MEIA PATA

Aquelas botas de cano alto, sandálias cheias de tirinhas, sapatos com modelos variados, tamancos, tudo com salto altíssimo e uma meia sola alta na frente orna com o que? Certamente não com vestidos curtos e justos ou shorts, além do que essa combinação pode passar uma impressão errada sobre a profissão que você exerce. Fico me perguntando porque os fashionistas criam esses sapatos torturantes desde a antiga China mas ainda não consegui uma resposta satisfatória. Continuarei pesquisando.

BATOM VERMELHO

Batom vermelho não orna com lábios finos.  Se você não for a Reese Witherspoon numa foto super produzida de anúncio da Avon (e boquinha aumentada no photoshop), evite.  Ao usar essa cor na boca fininha você sempre corre o risco de ficar um pouco parecida com o Coringa.


ALÇA DE SOUTIEN

Você pode ser uma cantora famosa, com uma voz linda, mas note que alça de soutien aparecendo pode novamente levantar suspeitas sobre sua profissão e não orna com moças elegantes. Alças de material plástico supostamente transparentes nem merecem comentário.

SILICONE

Exagerar no silicone e sair por aí com as próteses na janela não é bonito e não orna nem com Victória Beckham que é uma exibida de primeira.

 

DAVID BECKHAM

Já David pode vestir ou desvestir qualquer coisa que sempre orna não é?!


 

Hoje faço aniversário e antes que alguém se empolgue e venha com aquele negócio de “ah que legal!!!!!!”  informo que são muitos anos de vida… muitos mesmo, o que de vez em quando não é legal. Nunca curti muito essa história de aniversariar, nem quando criança, nem quando adolescente e nem depois de adulta.

Quando o clima era mais constante, todos os anos chovia nessa data querida e não era chuvinha amena, era daquelas chuvas de verão do tipo derruba-árvore e as crianças não podiam sair de casa para ir na minha festinha; o bolo simplezinho, os brigadeiros e o guaraná ficavam lá, tristes-tristes, me fazendo companhia e eu não sentia muitas felicidades.

Olho pras minhas ruguinhas e penso que não combinam com :

1-  Dean Winchester. É um sujeito lindo e fico semanalmente torcendo para que ele mate todos os vampiros e lobisomens que encontrar naquelas cidades americanas esquisitas, e de preferência que faça isso sem camisa.

2- O vampiro Eric Northman. Não quero que ninguém o mate, mesmo ele sendo mau e ordinário (e de preferência quero que ele fique sem camisa)

3- Nas mesmas cidades caipiras americanas de Eric reside o lobisomem Alcide. E quem em sã consciência vai querer sua morte ? (nem vou falar da camisa ou da falta dela)

4- Jax Teller. Esse pode se vestir como quiser, mas a moto é essencial. E a trilha roqueira da série também.

Perceberam que tenho um gosto adolescente para séries de TV e seus protagonistas? O mesmo se dá com relação aos filmes; gosto de coisas como a trilogia Senhor dos Anéis, Tubarão, qualquer coisa de Quentin Tarantino, Caçadores da Arca Perdida e suas sequências, Guerra nas Estrelas e suas sequências, Avatar, Harry Potter, e muitos outros como e sses cujos nomes esqueci numa descarada perda de memória o que também não combina com uma senhora com muitos anos de vida.

Amo toda parafernália tecnológica. Usei gravador de voz de fita; passei do VHS para o DVD e agora para  Blu-ray e 3-D e espero poder assistir, se ntada no sofá da minha sala, filmes com imagem holográfica . Conheci o disco 78 rotações, o long-play high-fidelity, o CD e hoje ouço tudo em digital.

Gravei muito arquivo em disquete de 5 1/4 com capacidade de armazenar 360KB ou 1,2 MB, dependendo se eram de simples ou dupla densidade, e fazer isso demorava pra caramba. S e o a rquivo fosse grande precisava usar vários disquetes que ia etiquetando (com etiqueta de papel) e numerando na sequência. Se um desses dinossaurinhos estragasse, não havia drive (que era uma fenda na frente da CPU) que os lesse; era desastre total. Agora é tudo em pen drive e tenho uns que parecem de brinquedo  mas armazenam um montão de Gigas.

No quesito estilo, detesto roupas tipo saco de batatas, disformes e supostamente indicadas para “gente velha”. Detesto aqueles sapatos largos e de saltinho baixo, com cara de ortopédico que deixam o pé como o da Minnie Mouse, lembram dela?

Detesto aquele corte de cabelo batidinho na nuca e que é um “must” entre as velhinhas mais simplezinhas aqui do bairro. Odeio solenemente o estilo “americana brega”, armado, “desfiado” e com toneladas de laquê, como o que Sylvia, mãe de Fran Fine usava no seriado The Nanny, alguém ainda se lembra?

Mas, mesmo com essas referências antigas pululando aqui no blog, devo dizer que tenho uma alma jovem e que neste corpinho com algumas décadas de uso  felizmente bate um coração adolescente e sonhador.





 

Causou certo frisson a notícia veiculada dias atrás dizendo que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi visto passeando de mãos dadas com Ellen Gracie ministra do Supremo Tribunal Federal.

Não vi nenhum alarde na mídia tradicional, mas nas conversas de botequim e nas midias sociais como o twitter e o facebook, a coisa virou assunto. Os comentários nem sempre foram favoráveis e li alguns deboches; parece que para muita gente o direito de relacionamentos, principalmente em se tratando de mulheres, acaba cedo.

Qual é o problema se houver mesmo um romance entre um homem e uma mulher, ambos saudáveis e absolutamente cientes de seus atos?  Porque pensar que pessoas mais velhas não podem se apaixonar?

A grande meleca é que neste país, como em outros por aí afora, o culto à juventude é uma doença incurável até o presente momento.

Envelhecer fisicamente parece uma praga bíblica a ser enfrentada com todos os exorcismos que a cirurgia plástica pode oferecer. Exige-se a aparência idealizada e divulgada no cinema, editorial de revista de moda, anúncios  e novela. Quem ganha com isso são as academias de ginástica, os fabricantes de cosméticos “anti idade”, as clínicas de cirurgias plásticas… Quem perde somos todos nós que iremos envelhecer um dia.

Parece que depois dos 50 anos as mulheres só podem ser avós; às vezes uma avó “bem apanhada”, mas sempre avó. Não pode mais se apaixonar, não pode amar nem ser amada,  é obrigada a aposentar a sexualidade e o desejo. Puro preconceito de gente desinformada.

Homens tem um prazo de validade um pouco maior graças à outra doença que nos assola: o machismo. Homens mais velhos podem desfilar com suas novas parceiras, desde que elas tenham menos de 40 é claro; de preferência que tenham menos de 30!

O ex presidente é uma pessoa inteligente, bem sucedida, culta, influente em seu campo de atuação e o mesmo se pode dizer da ministra. Fatalmente qualquer coisa que os envolva vai aparecer na mídia porque são conhecidos e portanto, notícia. Mas está cheio de Zés e Marias acima dos 50 anos se apaixonando por aí o que me faz voltar á pergunta inicial: e daí?

Fiquem espertos! O coração não se aposenta cedo não! Se não estiverem satisfeitos com essa verdade, vão cuidar da própria vida e parem de se preocupar com a vida alheia.

Vou direto ao assunto: tenho uma dificuldade gigantesca em memorizar nomes de pessoas, de ruas, de filmes e coisas do gênero. Posso explicar direitinho quem a pessoa é, onde ela trabalha, a cara que ela tem, roupas que usa, mas o nome nem pensar.

Quando quero lembrar o nome de algum ator ou atriz sou capaz de lembrar os filmes, os enredos, os personagens. Então fica uma coisa assim: aquele ator, bandido- médico-surfista-fantasma, que já morreu… Se minha filha estiver por perto, ela dirá: o Patrick  Swayze, né mãe?

Antes que alguém me chame de esclerosada, saibam que esse é um problema que acompanha minha família pelo lado paterno há gerações. Minha avó, tias, tios e meu próprio pai, sempre misturaram os nomes da criançada da família. Para a molecada era normal atender pelo nome de outro quando a vó chamava; é uma coisa genética.

Com essa memória de jaca escolhi a profissão de secretária, quando carregar uma agenda de papel era coisa chique e aproveitando a moda sempre anotava tudo; depois marcava com canetinhas coloridas porque não podia esquecer nada.

Minha formação acadêmica é, vejam que adequado, História. A sorte foi que quando comecei a cursar a faculdade o que valia era entender o “contexto”, a “tessitura”,  “o comportamento social”, o “embricamento”, e não decorar datas e nomes.  Entender as fofocas e os babados históricos “dentro de um contexto social”  permitiu que eu me saisse razoavelmente bem.

Hoje tudo mudou. Agenda agora é o netbook, o celular, o smartfone, o ipod. As redes sociais inundam minha timeline com arrobas que preciso reconhecer. O Facebook oferece fazendas, cafés, cidades de fronteira e outros jogos on line.

Imaginem quantas vezes não enviei uma vaca de presente para aquela senhora americana que é vegetariana convicta e tem um café, não uma fazenda.

Não faço idéia de como superar esse problema, nem de como marcar com canetinha colorida minhas anotações no smartfone. No netbook já consigo…

Tentei o método divulgado por um político que segundo as más línguas roubava mas fazia, não tinha dinheiro no exterior, é casado com uma senhora que usa um litro de laquê nos cabelos e elegeu um prefeito em São Paulo. Esse método ensina a relacionar as pessoas à alguma coisa para depois lembrar o nome delas. Como podem perceber, lembro do político, das fofocas e do método, mas esqueci o nome do sujeito.

Estou contando isso tudo só para me desculpar antecipadamente com você, amigo ou amiga de rede social, cursos em geral, antigos empregos, vizinhos, namorados, etc.. Nunca pensem que o fato de não lembrar de seus nomes seja pouco caso ou esclerose. Lembre-se que é genético!

Tenho TV por assinatura e uma das coisas que mais me irrita é ver séries e filmes reprisados à exaustão. No caso de Sex and the City isso não acontece e acredito que já assisti a série inteira umas três vezes sem  nunca me cansar.

Simplesmente adoro as histórias dessas mulheres unidas por uma grande amizade; adoro o cotidiano da grande cidade; adoro os figurinos, os namorados, os conflitos, os casinhos, os ficantes, e vejam só, eu que não bebo nada alcoólico, acho lindo aqueles drinks!

Para mim o enredo de Sex and the City vai muito além de “festas”,  “procura marido” e “sexo casual”. O que vejo naquelas mulheres é o desejo de sucesso no trabalho e na vida pessoal; é o desejo de encontrar um relacionamento afetivo duradouro, de se manter bonita e atraente não importando a idade; é o desejo de superar os obstáculos oferecidos pelo cotidiano de qualquer mulher. E se isso tudo vem temperado com a presença do Mr. Big, melhor ainda.

« Página anteriorPróxima Página »