melindrosaAntigamente dizia-se que elas eram do balacobaco. Depois, mulheres fáceis e em seguida as meninas do paz e amor; mais tarde viraram liberadas e hoje são chamadas de periguetes. Tem também as várias Marias que escolhem os rapazes de acordo com suas profissões ou posses: Maria-Chuteira, Maria Gasolina, Maria-Breteira e vejam só, Maria-Apostila que para mim é uma Maria totalmente inédita.

Estou falando, é claro, das mulheres que não seguem algumas regras pré estabelecidas de comportamento e que não estão nem aí para o que falam delas.mulher gato

O que chamou minha atenção para o assunto foi um artigo de Mirian Goldenberg, publicado em 18/12 no caderno Equilíbrio do Jornal Folha de São Paulo. Nele homens com idade entre 32 e 42 anos, todos com formação universitária, reclamam da “agressividade” das mulheres. Dizem que se sentem constrangidos, que as mulheres estão muito “oferecidas”, que essa disponibilidade toda “não dá o menor tesão” e contam atitudes tomadas pelas mais afoitas.

Esse discurso, sem bem me lembro, era feito por mulheres  conservadoras; também era usado pelas indignadas para ofender a vizinha desquitada e/ou gostosona que, supostamente, betty_anosdouradosvirava os olhos para os filhos, maridos e namorados alheios.

O que os entrevistados não dizem, mas certamente sabem, é que que essas moças estão reproduzindo o comportamento sexual antes reservado apenas aos homens e que agora pode ser adotado por todos: o sexo como pura diversão.

Me parece que alguns homens estão sentindo falta da emoção da “caça” e da “conquista” o que deve ser gens herdado dos antepassados neandertais ou então, saudade do tempo em que as garotas deviam ser românticas  ingênuas e os rapazes garanhões espertos porque o homem era o ser superior a quem se devia obediência e ponto final.

barbie-the-blonde-collection1É sintomático que digam que falta mulher interessante “no mercado” como se fossemos sabão em pó e devessemos ficar todas na prateleira esperando pelo nosso comprador. Não aceitam muito bem que as mulheres tomem a iniciativa antes reservada à eles e demonstrem abertamente um interesse apenas sexual.

Será que os rapazes já se esqueceram do tempo em que eles  próprios separavam as moças em “prá casar” e “prá se divertir”?

Não estou defendendo que as mulheres adotem o comportamento “masculino”  porque ir de um estereótipo à outro não resolve muita coisa, mas defendo o direito que todos tem de resolver como levar sua própria vida sexual. Se o que muitas meninas querem é diversão sem compromisso, tudo bem. Se alguns homens ficam melindrados com isso, tudo bem também.homem chorando

Só não falem de nós como se fôssemos todas umas descerebradas fúteis e assumam de uma vez por todas que mulheres adultas são capazes de decidir o que querem para elas próprias e vão em busca do que querem. É chocante? Lamento queridos, mas assim é a vida e se não estão muito contentes com essa nova situação, lutem para que não sejam vistos apenas como objeto.

Nós já estamos conseguindo.

Anúncios