Pelo nome da bagaça o veículo  deve ser útil para prática de esportes, certo? Besteira minha. Os carrões altos, pilotados por sedentários e esportistas, só servem para atravancar o trânsito caótico de São Paulo.

Cada vez que um precisa estacionar na rua é um espetáculo! Manobra, vai pra frente, pra trás, pro ladinho, entorta a traseira, endireita a traseira, tenta, não deu, tenta de novo…. e o resto da humanidade que fique esperando. O importante para os donos desses carros é fazer cara de paisagem e fingir que as buzinadas e o ódio ao redor não é com eles; afinal os outros devem ser pacientes e tolerantes como manda a boa educação, não é madame, não é doutor?

Em vagas demarcadas dentro de shoppings centers e garagens a coisa é um pouquinho diferente: o principal é ocupar duas vagas. Nada de se ajeitar em uma porque a caminhonete de luxo pode ser riscada pelo carro que vai estacionar ao lado ou, por causa do tamanho do transatlântico, pode haver dificuldades de manobra na hora de sair.

Não sei distinguir marcas ou modelos de carros, mas entendo que  4X4 significa tração nas quatro rodas e altura de carroceria sirva para vencer obstáculos no chão. Dada essas características básicas, por que alguém pode querer isso para circular na cidade onde as ruas são asfaltadas, não temos morros, pastos, barro para atolar ou trilhas para vencer – no máximo uma lombada ou um buraco no asfalto. Duvido que o feliz proprietário de um desses o leve para passear na lama…

No passado recente  os utilitários que víamos por aí eram umas caminhonetes com caçamba do tipo “carrega tijolo”. Era um tal de gente fazendo cara de “rico do interior” dirigindo pra lá e pra cá com seus caminhõezinhos que podiam transportar carga na traseira e duas pessoas na cabine, claro que sem carga e apenas com o motorista. Olhando os novos utilitários parece que pegaram os antigos, colocaram mais um banco, mais janelas e finalizaram com uma reluzente cobertura em chapa de metal, voltando a caçamba a ser um mero porta malas.

Não imagino o que motiva a pessoa para adquirir esse tipo de veículo; não acho que economia esteja entre as razões porque manutenção e consumo de combustível devem ser bem significativos . Pode ser que dirigir um carro com cara de blindado, vidros escuros e mais alto que os outros dê sensação de poder, status, segurança. Pode ser que dentro dele o motorista se sinta mais à vontade para cometer barbeiragens, confiante em que o tamanho imponha respeito e medo aos outros motoristas.

As razões para amarem esse jipão metido à besta eu não sei, mas sei bem as minhas para odiá-los:

1 – se estão estacionados no meio fio, principalmente próximos às esquinas, preciso bancar a suricata quando quero atravessar a rua porque a altura deles me impede de ver o fluxo de veículos;

2 – observo que muitos motoristas “esportivos”  dirigem de forma agressiva e arrogante, não respeitando pedestres, sinais, faixas, limite de velocidade, etc;

3 – estacionar ao lado deles é uma temeridade porque impedem sua visão na hora de sair da vaga;

4 – apesar de ocuparem um espaço fantástico raramente vejo mais de uma pessoa dentro desses carros;

5 – a classificação de esportivo pode estar motivando uns doidões a trafegar em altíssima velocidade dia ou noite e os acidentes que provocam são sempre graves;

Tentei encontrar pontos à favor para não parecer reclamona mas não consegui nem mesmo buscando em revistas especializadas. Que os aficcionados e fabricantes me desculpem mas esses utilitários são completamente inúteis.