Uma notícia chocante nos informa que estudantes da UNESP-Universidade Estadual Paulista organizou uma competição chamada “rodeio das gordas”  cujo objetivo era “agarrar suas colegas, de preferência as obesas, e tentar simular um rodeio – ficando o maior tempo possível sobre a presa”, conforme o jornal Folha de São Paulo

O estudante organizador do “evento” –  e criador de uma comunidade no Orkut com o mesmo tema –  se defende dizendo que era só uma brincadeira. Só pode ser cinismo e certeza de impunidade  que o leva  a ficar tão tranquilo. Aliás, o vice-reitor da Faculdade de Ciências e Letras do campus de Assis disse, segundo a reportagem acima,  que não quer ” estabelecer um processo inquisitório” usando frase de efeito para diminuir a importância do fato.

Quando Geyse Arruda foi chamada de puta pelos colegas de UNIBAN, também era apenas “brincadeirinha”?

Quando o estudante Edison Tsung Chi Hsuen morreu afogado durante um trote na piscina da USP em 1999, também era só uma “brincadeira” não é mesmo?

A facilidade com que os responsáveis se safam dessas situações, a impunidade, a leniência dos dirigentes das universidades e escolas em geral, a falta de atitude dos pais e dos educadores, são os tijolos que pavimentam essa estrada que só pode levar ao desastre.

A cantora Preta Gil ganhou um processo contra alguns  “humoristas” de um programa de TV que a chamaram de baleia encalhada, numa alusão à sua aparência física. Seu caso deveria ser usado como exemplo e incentivo para todos que sofrem humilhação e preconceito, seja na escola, no ambiente de trabalho, na rua, nos anúncios de produtos, etc. Os agredidos precisam tomar atitude e processar os agressores e aqueles que lhes dão guarida

Se a justiça começar à punir rapidamente e com rigor os “inocentes brincalhões”, o senso de humor dessas pessoas certamente mudará para melhor e todo mundo vai sair lucrando.