Ardi 01O que uma descoberta arqueológica tem ver com o Dia das Crianças, pensei comigo mesma quando decidi por esse tema. A inspiração veio de um programa que assisti ontem no Discovery Channel onde vovó Ardi é a estrela principal.

Resumindo, Ardi (Ardipithecus ramidi) é uma ancestral humana de 4 milhões e 400 mil anos, com 1,20m e 50 k, cujos primeiros fragmentos fósseis foram descobertos na Etiópia em 1994. Agora, quinze anos depois os cientistas terminaram a reconstrução e publicaram suas descobertas.

O que a torna completamente diferente  é a posição de suas pernas e seus pés que permitem que ela ande completamente ereta.

Fiquei imaginando as vantagens de ter as mãos livres e além de coletar alimentos com mais facilidade, transportá-los também me parece mais simples, o que favoreceria a alimentação do grupo durante os deslocamentos.

Outro dado importante é que esses ancestrais tinham o dente canino pequeno, quase iguais aos nossos e os machos eram aproximadamente do mesmo tamanho que as fêmeas. Isso denota uma agressividade menor e imagino que sendo menos agressivos eles precisavam por o cérebro para funcionar e descobrir novos meios de combater seus inimigos naturais. Será que foi assim que desenvolvemos nossa inteligência?

Mas o que disparou o alarme para o Dia das Crianças foi a imagem da  senhora Ardi (que apareceu no programa do Discovery) com uma criança encarapitada em seu quadril. Caso alguém não saiba, poder carregar o filho pequeno e ao mesmo tempo executar as tarefas rotineiras é uma das melhores coisas na vida das mães.

Ajuda muito ficar ereta e ver o que os outros filhos estão fazendo; ter as mãos livres para preparar o lanche, atender o telefone, pegar um copo no armário, abrir uma gaveta, é uma benção na hora da correria. E acho que a maior parte das crianças gosta de ser carregada desse jeito; eu adorava carregar minha filha assim.

Por isso no Dia das Crianças agradeço á vovó Ardi que nos trouxe isso tudo a partir do dia em que resolveu ficou de pé carregando seu bebê e ao mesmo tempo foi executando suas tarefas. Minha tese é que a relação pais e filhos se fortaleceu à partir disso, mas como não sou arqueóloga, psicóloga, nem nada, essas são apenas minhas abalisadas opiniões de mãe.

P.S.: Não encontrei a imagem da mãe com o bebê na Internet. Para vê-la será preciso assistir o programa, desculpem.