FoxMeu cachorro, essa belezinha aí da foto, “pegou” carrapatos   o que poderia não ser nada demais caso morassemos em sitio, fazenda ou matinho. Não é o caso.

Meu bairro é urbano e todo asfaltado, de classe média – alta em algumas ruas, altíssima em alguns prédios, beirando a realeza em outros e, média simples,  no meu caso.

Muitos moradores têm  propriedades rurais, com direito à poneis, cavalos, bois, vacas e outros animais, incluindo carrapatos e, como os cães acompanham seus donos nos bucólicos finais de semana , acabam voltado infestados de parasitas. Durante a semana, graças ao descaso e  má educação desses donos, lá estão os garbosos pets circulando pelas ruas do bairro e deixando na calçada, além de fezes e urina, os malditos carrapatos.

Descubro que carrapato é coisa para cachorro de rico mesmo; o tratamento é  caro e demorado. Além de cuidar do cachorro preciso “tratar” também do ambiente passando na casa inteira um produto que tem aviso de “cuidado veneno” na caixinha, o que me deixa um pouco apreensiva. Como carrapato cai no chão e sai andando procurando esconderijos, comecei a olhar para o sofá da sala com muita desconfiança e encaro o tapete como um inimigo a ser destruído.

Meu cachorro nem sai à rua, justamente porque sei que o bairro, alem dos cocôs, tem as calçadas povoadas também de parasitas. Fui informada pelo veterinário que carrapato pode descer escadas, subir em paredes e entrar por baixo das portas procurando um hospedeiro.  Pode também viajar no vento! Deosdocéo!!! Parece filme B.

Agora a solução é  gastar rios de dinheiros com o combate aos Invasores de Corpos Residente Evil na minha casa e no meu cachorro, além é claro de amaldiçoar todos os dias essa gente folgada que tem bicho e não cuida.